SEGUIDORES DO BLOG




CALENDÁRIO NEGRO - FEVEREIRO

1 – Nasce, em Minas Gerais, a antropóloga e filósofa Lélia Gonzalez, intelectual e ativista do movimento negro e feminista (1935)

1 – Nasce em Joplin, Estado do Missouri (EUA), o escritor e poeta Langst Hughes. (1902)
2 – Dia consagrado ao orixá Iemanjá.
2 – Nasce em Tiradentes (MG) o compositor, organista, relojoeiro, pintor, escultor, calígrafo e perito em iluminuras, Manuel Dias de Oliveira. (1738)
2 – Assinada a Lei do Ventre Livre no Uruguai. (1813).
2 – Nasce em Vitória (ES), a atriz e escritora Elisa Lucinda. (1958)
2 – O plenário da Constituinte aprova a emenda de autoria do Deputado Federal Carlos Alberto de Oliveira - Caó, do PDT (RJ) - estabelecendo que racismo passa a ser crime inafiançável e imprescritível. (1988)

3 – Dia dos heróis moçambicanos.

3 – Alvará manda marcar com um F a espádua dos escravos fugitivos em Minas Gerais (1741)
3 – O governo de Frederick de Klerk anuncia a libertação iminente de Nelson Mandela, após 26 anos de prisão, e apresenta um pacote de medidas: legalização do Congresso Nacional Africano, o fim da pena de morte, a soltura de presos políticos não envolvidos em mortes ou atos de terrorismo. O líder negro exige mais concessões para ser libertado.
4 – Início da luta armada pela independência de Angola (1961)
5 – Nasce no município de Campos, Estado do Rio de Janeiro, a partideira Dona Ana Bororó (1924)
6 – É destruído o Quilombo dos Palmarea (1694)
6 – Nasce no bairro da Piedade, Rio de Janeiro, Euzébia Silva de Oliveira, D. Zica da Mangueira (1913)
6 – Nasce em Igarapava (SP) o cantor Jair Rodrigues de Oliveira - Jair Rodrigue. (1939)
6 – Nasce em Nine Mile, Sant'ana, norte da Jamaica, Robert Nesta Marley - Bob Marley, a maior estrela do reggae jamaicano (1945)
7 – Nasce no bairro de Carambita, em Valença/RJ, a "capital do vale da escravidão", Clementina de Jesus da Silva, a "Mãe Quelé" (1901)
7 - Independência de Granada. (1974)

8 – Nasce Alonzo Harding Mourning, Jr., na Virginia(EUA), ex-jogador profissional de basquete da NBA, mais conhecido por Zo (1970)
9 – Nasce em Georgia, sul dos Estados Unidos, Alice Walker, incluída entre as/os melhores escritores/as americanos/as contemporâneos/as. (1944)
10 – Nasce em Salvador (BA), Maria Escolástica da Conceição Nazaré, a Mãe Menininha do Gantois (1894)
10 – Nasce nos Estados Unidos a cantora e instrumentista Roberta Flack (1940)
10 – A sambista Isabel Valença sagra-se vencedora na categoria luxo feminino no concurso do Teatro Municipal (RJ), desfilando com a fantasia "Rainha Rita de Vila Rica" (1964)
10 – O governo do General Médici proíbe a publicação de notícias sobre índios, esquadrão da morte, guerrilha, movimento negro e discriminação racial (1969)
10 – Inaugurado no Terreiro do Gantois, bairro da Federação, Salvador (BA), o Memorial Mãe Menininha (1992)
11 – Nelson Mandela é libertado pelo governo racista da África do Sul, depois de 27 anos preso (1990)
12 – Nasce Arlindo Veiga dos Santos, acadêmico e primeiro Presidente da Frente Negra Brasileira (1902)
12 – Nasce em Duas Barras (RJ) o compositor e cantor Martinho José Ferreira, o Martinho da Vila, um dos grandes criadores do samba carioca e um dos maiores impulsionadores das relações culturais entre o Brasil e o continente africano (1938)
12 – Nasce em Garanhuns (PE) o cantor, compositor e instrumentista José Domingos de Morais - Dominguinhos. (1941)

12 – Admitido o primeiro universitário negro na Universidade de Alabama - EUA (1956)
13 – Tem início com Amilcar Cabral em Cassaca, o I Congresso do PAIGC, nas zonas libertadas do sul, que operou uma mudança decisiva no avanço da luta armada. (1964)
14 – Nasce nos Estados Unidos, Frederick Douglas, escritor, defensor da causa abolicionista. (1817)

15 – Publicado em Nova Jérsei (EUA) um ato que liberava todos os filhos de escravizados da escravidão. (1804)
16 – Nasce na Filadélfia (EUA), a cantora de ópera Marian Anderson. (1897)
17 – Nasce no Brooklyn, Nova York (EUA), o jogador de basquete Michael Jefrrey Jordan, Michael Jordan. (1963)
18 – Fundação, em Salvador (BA), do Afoxé Filhos de Gandhi. (1949)
18 – Independência de Gâmbia. (1965)
19 – O americano W. E. B. Dubois, um dos pioneiros da luta pela independência e unidade africana, organiza o I Congresso Pan-Africano, em Paris (1919)
19 – Carter G. Woodson cria, nos EUA, a "Negro History Week", atualmente o "Black History Month" (Mês da História Negra) (1926)
20 – Publicada Carta Régia declarando que "sendo presente o demasiado luxo das escravas no Brasil, e devendo evitar-se esse excesso e o mau exemplo que dele podia seguir-se", El-rei era servido resolver que as escravas de todo o Brasil em nenhuma capitania pudesse usar vestidos de seda, de cambraia, ou halandas, com rendas ou sem elas, nem também de guarnição de ouro ou prata nos vestidos. (1696).
20 – Nasce em Miami (EUA), o ator, diretor e Embaixador das Bahamas no Japão, Sidnei Poitier (1924 ou 1927)

21 – Nasce em Tryon (EUA), Eunice Kathleen Waymon, pianista, cantora, compositora e ativista pelos direitos civis dos negros estadunidenses, mais conhecida pelo nome artístico Nina Simone (1933)
22 – É organizada em Nova Iorque (EUA), a Associação Nacional de Ajuda aos Libertos. (1862)
22 – É destruído um quilombo na localidade entre os arroios Sampaio e Taquari Mirim, Rio Pardo (RS) (1853)
23 – Nasce em Great Barrington, Massachusetts (EUA), Willian Edward Burghard Dubois, considerado pai dos movimentos pelos direitos civis nos Estados Unidos e precursor do pan-africanismo. (1868)
23 – O artista plástico Arthur Bispo do Rosário é levado pelas mãos do pai para o Escola de Aprendizes, no Quartel Central do Corpo de Marinheiros Nacionais Villegaignon no Rio de Janeiro, recebendo o número 15148.
23 – Nasce o ator e artista plástico Antonio Pompêo. (1953)
24 – Nasce na Cidade de Aurora (CE), o artista plástico Geraldo Simplício - Nêgo. (1943)
25 – Nasce em Glória do Goitá (PE), João Francisco dos Santos, Madame Satã, o primeiro travesti artista do Brasil e famoso malandro do Rio de Janeiro, (1900)
25 – O pugilista Cassius Clay ganha o título de Campeão Mundial de Boxe na categoria peso pesado, ao derrotar na cidade de Miami, Flórida (EUA), Sonny Liston. (1964)

26 – As potências europeias repartem o continente africano (1885)

26 – Nasce no Rio de Janeiro o cantor Wilson Simonal de Castro - Wilson Simonal (1939)
27 – Independência da República Dominicana (1844)
28 – Criação do Quilombhoje Literatura (1980)

.

Pesquisa personalizada

domingo, 15 de janeiro de 2017

Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais na escola

Este livro apresenta os resultados da pesquisa Práticas Pedagógicas de Trabalho com Relações Étnico-Raciais na Escola na Perspectiva da Lei n.º 10.639/03, desenvolvida no âmbito do Programa de Ensino, Pesquisa e Extensão Ações Afirmativas na UFMG e do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Étnico-Raciais e Ações Afirmativas (NERA/CNPq), no período de fevereiro a dezembro de 2009, em parceria com pesquisadores(as) dos seguintes núcleos e centros de pesquisa: Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Relações Raciais e Educação (NEPRE)/UFMT, Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UFRPE, Centro de Estudos Afro-Orientais – UFBA, Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros/UFPR e Núcleo de Estudo e Pesquisa sobre Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais – Núcleo-GERA-UFPA.
Apoiada e financiada pelo Ministério da Educação/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) e pela representação da UNESCO no Brasil, a pesquisa tem por objetivo identificar, mapear e analisar as iniciativas desenvolvidas pelas redes públicas de ensino e as práticas pedagógicas realizadas por escolas pertencentes a essas redes na perspectiva da Lei n.º 10.639/03, que torna obrigatório o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira nas escolas públicas e privadas do ensino fundamental e médio do país.
A Lei n.º 10.639/03, o Parecer do CNE/CP 03/2004, que aprovou as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, e a Resolução CNE/CP 01/2004, que detalha os direitos e as obrigações dos entes federados com a implementação da Lei, compõem um conjunto de dispositivos legais considerados como indutores de uma política educacional voltada para a afirmação da diversidade cultural e da concretização de uma educação das relações étnico-raciais nas escolas, desencadeada a partir dos anos de 2000.
FONTE: O Incrível Zé

Projeto Ludicidade Africana e Afro-brasileira lança e-book “Brincadeiras africanas para a educação cultural”

“Um momento de agradecimento a todos os bolsistas, parceiros e colaboradores”. Foi como a professora Débora Alfaia da Cunha definiu o lançamento do e-book de sua autoria, “Brincadeiras africanas para a educação cultural”. “Afinal, é fruto de um trabalho coletivo”, concluiu.
A elaboração de um e-book era uma das metas a serem alcançadas no desenvolvimento do Projeto LAAB – Ludicidade Africana e Afro-brasileira, que teve seu início em 2011, com a finalidade de promover formação continuada a professores e graduandos para a educação nas relações étnico-raciais, através de oficinas e vivências lúdicas com crianças das comunidades quilombolas, escolas e igrejas.
Com o avanço das pesquisas e sucesso das oficinas e, como mais um dos objetivos do projeto, foram elaborados materiais apostilados, que logo se difundiram pela internet, suscitando o interesse de educadores de outros estados, que sugeriram a coordenadora uma versão mais aprimorada e completa. “O e-book nasceu a partir de uma demanda. Pessoas interessadas começaram a baixar e utilizar o material. Isso pediu uma publicação mais elaborada, exatamente para poder citar, fazer as referências, respeitando a autoria”, explicou a autora 
O lançamento de um material voltado para a valorização da cultura étnico-racial traz aos movimentos negros, associações e comunidade quilombola grandes conquistas. “É uma satisfação, enquanto participante do movimento negro, entender que a universidade está trazendo essas produções, além de vivenciá-las nas escolas e comunidades quilombolas, favorecendo a troca de saberes. Agradecemos e que venham mais produções”, ressaltou Denilson Batista representante da Associação de Convivência Negra no Quilombo (Asconq).


O e-book – É um material com mais de 50 jogos que exaltam a cultura africana, além de possibilitar o trabalho pedagógico de conteúdos curriculares como destaca a bolsista do projeto, Tatiane Barros. “Além de abordar a ludicidade, o e-book oferece um leque de possibilidades para os professores trabalharem conteúdos das várias disciplinas, como Matemática, História e Geografia”. O material traz muitas ilustrações feitas com exclusividade pela artista plástica Odileuza dos Santos Alfaia da Cunha, além da capa criada pela artista visual Suzana Alfaia. O recurso pedagógico será apresentado em duas versões: PDF e para dispositivo móvel. Estará disponível para download no site do projeto LAAB, no endereço: http://www.laabufpa.com/
Texto e fotos: ASCOM – UFPA/Castanhal
OBS: É preciso preencher o formulário disponível na página para que o download seja liberado.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

UnB promove Especialização em Políticas Públicas e Socioeducação - DF

O Centro de Estudos Avançados de Governo e Administração Pública (CEAG/UnB), centro vinculado à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de Brasília (FACE/UnB), torna pública a abertura do processo seletivo de alunos para o curso de Especialização em Políticas Públicas e Socioeducação, com oferta nacional, na modalidade a distância no âmbito do projeto “BASE DE APOIO À IMPLANTAÇÃO DA ESCOLA NACIONAL DE SOCIOEDUCAÇÃO (ENS) – 2014/2016 em parceria com a Secretaria Nacional da Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente – SNPDCA.

As inscrições poderão ser feitas de 01 de dezembro de 2016 às 23:55hs do dia 08 de janeiro de 2017, observado o horário oficial de Brasília/DF.

INFORMAÇÕES COMPLETAS – Clique aqui para acessar o Edital.

Para se inscrever, os candidatos deverão seguir os seguintes passos:
1. Acessar o endereço eletrônico da Comunidade ENS (http://sinase.ceag.unb.br/ensapp/);
2. Caso ainda não tenha usuário na Comunidade ENS, deverá se cadastrar na página da Comunidade ENS para que possa acessar ao site. Caso já tenha usuário e senha, deverá fazer o login;
3. Após o login, estará disponível link para a inscrição na home do site;
4. Após clicar no link, caso os pré-requisitos abaixo especificados sejam atendidos, será apresentado termo de aceite das condições do curso. Caso contrário, não será possível prosseguir com a inscrição, devendo o candidato atualizar seu cadastro, se for o caso;
5. Após aceitar os termos da inscrição, será apresentado questionário de inscrição, que deverá ter todas as perguntas respondidas;
6. Concluída a inscrição, o candidato receberá um e-mail de confirmação e ficará disponível na home do site link para que o mesmo faça download da ficha de inscrição (anexo I) e da declaração de serviço (anexo II), já parcialmente preenchidos pelo sistema, os quais deverão ser complementados, datados, assinados e enviados pelo correio, junto com cópia dos seguintes documentos:


  • Diploma de curso superior;
  • Histórico escolar de graduação;
  • Curriculum Vitae;
  • Carteira de Identidade;
  • CPF;
  • Titulo de Eleitor com comprovante da ultima votação;
  • Certificado de Reservista para aluno do sexo masculino; e
  • Uma foto 3X4.
Os documentos e formulários deverão ser postados até o dia 08 de janeiro de 2017, preferencialmente em envelope 229×324.
Caso sejam enviados após o dia 31/12/2016, a postagem deverá ocorrer via SEDEX. O envio deve ser feito para o seguinte destinatário:

Inscrição para o curso de Especialização em Políticas Públicas e Socioeducação CEAG – Centro de Estudos Avançados de Governo e Administração Pública/UnB CLN 110 bloco “A” sala 201 – Brasília/DF CEP: 70.753-510

FONTE: O Incrível Zé

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Mapa interativo de Anansi, o contador de histórias



Introdução ao mapa de Anansi

Este portal educacional é um ilustre contador de histórias. Como diz o próprio nome de origem africana Akpalô – “aquele que conta histórias”, em nagô –, ele foi construído para imergir o aluno nas mais diversas formas de história. Por meio de nosso mapa interativo, é possível visitar diferentes partes da África em vários recortes de tempo, como os reinos de Mali e do Congo – da África antiga –, a África colonizadora e a África atual.
Usamos a teia de Anansi como uma representação dos princípios que devem reger o comportamento humano – como coletividade, empatia e respeito –, a fim de motivar os indivíduos a manter a teia harmoniosa e intacta, baseando suas atitudes nesses ricos valores. O mapa de Anansi traz uma experiência única de contato com a cultura africana e toda a ancestralidade que a tradição oral preservou em suas rodas ao redor da fogueira.
Você está convidado a participar dessa história. Sente-se perto da fogueira e se acomode, pois Anansi tem muito a lhe contar sobre o berço da humanidade.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

IFPR/Campus Palmas é parceiro do XIII Encontro do Fórum Permanente da Diversidade Étnico-racial e de Gênero - TO

Será realizado em Palmas, de 9 a 11 de junho de 2016, o XIII Encontro do Fórum Permanente da Diversidade Étnico-racial e de Gênero do Paraná. O Campus Palmas do IFPR é um dos parceiros na organização.
O evento, cujo tema será “Negras, negros, quilombolas e indígenas: a educação das relações étnico-raciais na perspectiva das leis 10.639/03 e 11.645/08”, é destinado a professores municipais, estaduais e federais, estudantes das licenciaturas do Campus Palmas e integrantes de movimentos sociais.
Além da palestra de abertura intitulada “Identidades sociais de raça no livro didático”, a ser ministrada pela professora, pesquisadora e escritora da área educacional Aparecida de Jesus Ferreira, haverá um total de 32 oficinas ofertadas nos dias 10 e 11 de junho, apresentações artísticas e momentos de troca de experiências das equipes multidisciplinares.
São disponibilizadas 1.200 vagas, sendo 500 reservadas para professores da rede municipal de ensino, 200 para professores da rede estadual, 200 para integrantes de movimentos sociais e 300 para professores e acadêmicos dos cursos de licenciatura do Campus Palmas do IFPR.
Segundo a coordenadora do projeto de extensão que possibilitou a participação no referido evento, professora Marcia de Campos Biezeki, do curso de Pedagogia do IFPR/Palmas, o objetivo do Fórum é desenvolver uma proposta de formação continuada, de análises, e, principalmente, de cumprimento das legislações vigentes desde 2003 para que haja a efetiva implementação dos conteúdos que contemplem a diversidade étnico-racial.
“O desafio de sediar um evento de proporções estaduais só seria possível mediante o esforço de muitos profissionais paranaenses que, por meio de suas instituições, comunidades, associações, conselhos etc., contribuíram para que tudo fosse feito à altura e relevância do tema abordado e o IFPR, campus Palmas, é um dos parceiros na organização desse grande evento”, comenta a professora.
Folder do Evento:
Cronograma de oficinas:
Fonte:
FONTE: Blog Diversidade Étnico-racial

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Conferência discutirá Ancestralidade Bantu no Baixo Sul da Bahia: memória e convivência religiosa com mame´etu Kasanji

 
Acontece nesta quarta-feira, 18 de maio de 2016, a Conferência do Coletivo de Estudos e Pesquisas de Matriz Africana, será discutido "Ancestralidade Conferência discutirá Ancestralidade Bantu no Baixo Sul da Bahia: memória e convivência religiosa com mame´etu Kasanji, às 14h, no auditório Tempo Livre, da Escola Caxuté.

O objetivo da conferência é alimentar o acervo do memorial Mameetu Kasanji, idealizado pelo Táta Luangomina, pesquisador sobre a trajetória de Mãe Mira (Mammetu Kasanji) que estará sendo criado pela Associação Religiosa e Cultural Terreiro Caxuté Tempo Marvila Senzala do Dendê, para, como também, contribuir com a produção de registro sobre a convivência religiosa de dois sacerdotes que tiveram em suas vidas a presença sacerdotal da saudosa rainha negra do território do Baixo Sul. A conferência trará trocas de experiências do Taata Kwa Nkisi Katuvanjesi e da Mame´tu Kwa Nkisi Kafurêngá. 
 
Confira a programação abaixo, assim como uma breve apresentação da Mãe Bárbara (Mame´etu Kafurêngá) e do convidado Walmir Damasceno (Taata Katuvanjesi):
 
 
Mame´etu Kafurêngá:

Atualmente é graduanda em Pedagogia. Diretora/fundadora da Primeira Escola de Religião e Cultura de Matriz Africana do Baixo Sul da Bahia - Escola Caxuté. Presidenta da Associação Religiosa e Cultural Terreiro Caxuté Tempo Marvila Senzala do Dendê (ACULTEMA). Sacerdotisa Afro dirigente do Kunzo Nkisi Caxuté Kitembo Mvila (Terreiro Caxuté). Poetisa afro-brasileira. Coordenadora da Federação Nacional do Culto Afro-Brasileiro (FENACAB), para as 15 cidades que compõem o Território do Baixo Sul da Bahia.

Taata Katuvanjesi:

Taata Kwa Nkisi Katuvanjesi – Walmir Damasceno, Sacerdote Máximo do Nzo Tumbansi – Jornalista e Bacharel em Direito. Coordenador Nacional do Ilabantu.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Coletivo Angela Davis (PPGCS/UFRB) seleciona novos membros - BA


SOLICITAR EDITAL COMPLETO E MODELO DE CARTA DE INTENÇÃO NO E-MAIL coletivoangeladavis@gmail.com

terça-feira, 10 de novembro de 2015

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Animação infantil com personagens negros será lançada em Salvador - BA




No feriado de 12.10, a partir das 09h, na Senzala do Barro Preto, sede do Ilê Aiyê, no Curuzu, será lançada nacionalmente a série de animação colombiana “Guilhermina e Candelário”. Produzida em 2012 pela Fosfenos Media e Señal Combia, a animação traz como protagonistas os irmãos negros Guilhermina e Candelário que vivem em um cenário simples, mas que guardam uma grande riqueza: a relação que estabelecem entre si e com seus familiares e amigos. A TVE Bahia / TV Brasil exibirá quatro episódios em sequência, às 9h45 e às 13h. A partir de então, o desenho será exibido de segunda a sábado, na faixa Hora da Criança. Entrarão no ar 20 episódios, de 12 minutos cada, que abordam o cotidiano dos dois irmãos, cuja capacidade de sonhar transforma cada dia em uma incrível aventura.

Os irmãos Guilhermina e Candelário compõem uma família negra, muito parecida com milhões de famílias brasileiras, atualmente pouco representadas nos meios de comunicação. A série infantil tem a maioria dos seus personagens negros e surge para preencher essa lacuna e valorizar a história e a cultura negra. É um dos primeiros desenhos do gênero com protagonistas negros a ser exibido na TV aberta brasileira.

A aquisição da série se alinha à adesão da Empresa Brasil de Comunicação – EBC ao programa de Pró-Equidade de Gênero e Raça, uma vez que cumpre o papel de colocar em tela personagens negros, especialmente para o público infantil, que dificilmente conta com produções deste tipo. “Guilhermina e Candelário” apresenta valores de sociabilidade importantes para a infância, apresentados ao público através das pequenas descobertas dos irmãos, contadas com muita música e alegria. Por fim, a série apresenta ótima execução técnica e artística, possui alta definição (HD) e é inédita na TV do Brasil, tanto aberta quanto por assinatura.

“Guilhermina e Candelário” contará com eventos de lançamento apoiados pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (SEPPIR/PR), pelo Governo do Distrito Federal (SEMIDH e SECULT), pela Prefeitura de São Paulo (SMPIR), pelo Governo da Bahia (SEPROMI/SEC-IRDEB/SECULT) e pelo Governo do Maranhão (SEPIR). O objetivo é dar visibilidade ao programa, contribuindo para a reversão das representações negativas da pessoa negra e fortalecendo autoestima, a história e a cultura afrolatino-americana no Brasil, sobretudo entre educadores e crianças.
 
Assessoria de Comunicação
Secretaria de Promoção da Igualdade Racial
www.sepromi.ba.gov.br
55 71 3103-1411/1412/1413/1414

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Relações raciais na sociedade brasileira são tema de curso gratuito em Cubatão - SP

O Departamento de Igualdade Racial e Étnica da Prefeitura de Cubatão e o conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial (Compir) do município promovem entre outubro e novembro o curso Ondjango - Relações Raciais na Sociedade Brasileira. O objetivo do curso é levar à comunidade em geral conceitos para a formação de uma consciência antirracista, com temas ligados à Saúde, Educação, Artes e Políticas Públicas, entre outros.

Ondjango é uma palavra que em Angola e outros países do sul do Saara significa uma forma peculiar de organização comunitária, um pequeno parlamento. A palavra também designa uma construção de pau-a-pique, em forma circular, sem paredes, encoberta de capim (colmo) ou localizado sob uma árvore frondosa, de grandes sombras, onde são realizados encontros.


As inscrições devem ser feitas entre os dias 8 e 14 de outubro, somente pela internet, no link https://docs.google.com/forms/d/1NvgHccE3UBizpjtGKspm6Nuc2X_qGEbZrIOQsdlaRK0/viewform. São 50 vagas, sendo 10 (dez) são reservadas para integrantes do Compir, 30 para cidadãos e cidadãs cubatenses e 10 para pessoas de outras cidades da região. O critério de seleção será a ordem de inscrição.  A lista final dos inscritos será divulgada no dia 15 de outubro no site oficial da Prefeitura Municipal de Cubatão.


O curso é fruto da II Conferência Municipal de Promoção da Igualdade Racial, realizada em 2013, e cumpre função relacionada aos eixos de trabalho do Departamento de Igualdade Racial e Étnica da Prefeitura Municipal de Cubatão.


As aulas acontecem de 16/10 até 16/11 no Anfiteatro da Câmara Municipal e na UME Lorena (Av. Nossa Senhora da Lapa, 785, Vila Nova) e incluem também visitas ao Acervo de Memória e do Viver Afrobrasileiro Caio Egydio de Souza Aranha e ao Museu Afro Brasil, ambos em São Paulo, e a exibição seguida de debate do filme "Besouro". O curso é gratuito e terá duração de 40 horas. Serão conferidos certificados aos que participarem de 80% dos módulos do Curso. Confira a programação:


Módulo I - História e Cultura Africanas. Aspectos da Cultura e História Africanas. O legado africano e a contemporaneidade. 3h00
Data: 16/10, às 18h30min
Local: Anfiteatro da Câmara Municipal de Cubatão
Endereço: Praça dos Emancipadores, s/nº.


Módulo II - História e Cultura Afrobrasileiras: A formação da sociedade brasileira. Escravidão. Quilombos e a resistência afrobrasileira. Abolição. Situação do Negro no Brasil atual. Cultura Afrobrasileira e contemporaneidade: Literatura e Artes Negras, Artistas e Performances. 3h00
Data: 20/10, às 18h30


Local: Anfiteatro da Câmara Municipal de Cubatão

Módulo III - Direitos Humanos e Diversidades: noções básicas, dimensões, marcos regulatórios e conjuntura. Diversidades: Identidade de Gênero, Raça/Etnia, Orientação Sexual, Liberdade Religiosa. 3h00
Data: 21/10, às 18h30
Local: Anfiteatro da Câmara Municipal de Cubatão


Módulo IV - Racismo Institucional: sensibilização, identificação e abordagem do Racismo Institucional e consequentes discussões a partir de conceitos como Racismo, Preconceito, Discriminação, Estereótipo, Racismo Científico, Democracia Racial, Ideologia do Embranquecimento, Branquitude, Negritude, Identidade, Diferença, Igualdade. 3h00min
Data: 22/10, às 18h30
Local: UME Lorena, Av. Nossa Senhora da Lapa, 785, Vila Nova.


Módulo V - Gênero, raça e etnia: identidade de gênero, interseccionalidades, machismo, racismo, violência doméstica e a tripla discriminação. 3h00
Data: 24/10, às 14h00
Local: UME Lorena


Módulo VI - Saúde da População Negra: a Política Nacional de Saúde Integral a População Negra e o  SUS. Equidade. Os efeitos psicossociais do racismo. 3h00
Data: 27/10, às 18h30
Local: Anfiteatro da Câmara Municipal de Cubatão


Módulo VII - Educação, Racismo e Antirracismo: as relações raciais e o racismo no cotidiano escolar. A busca por uma educação etnicorracial e antirracista. O papel do município na implementação das Leis 10.639/2003 e 11.645/2008.  3h00
Data: 28/10, às 18h30
Local: UME Lorena


Módulo VIII - Direito de Igualdade Racial: ações afirmativas, rede de proteção e de enfrentamento ao racismo, Estatuto da Igualdade Racial, cotas e legislação antirracismo. 3h00
Data: 29/10, às 18h30
Local: Anfiteatro da Câmara Municipal de Cubatão


Módulo IX - Questão racial e o mercado de Trabalho: análise das relações raciais e desigualdades no acesso ao mercado de trabalho. Afroempreendorismo. 1h30
Data: 31/10, às 13h00
Local: UME Lorena


Módulo X - Juventude Negra, racismo, violência e segurança pública. Análise do perfil e diagnóstico das juventudes negras. Discussão sobre a violência nas periferias. Acesso à justiça e Direitos Humanos. 1h30
Data: 31/10, às 15h00
Local: UME Lorena


Módulo XI - Visita monitorada a Territórios Negros: Acervo de Memória e do Viver Afrobrasileiro Caio Egydio de Souza Aranha e Museu Afro Brasil (ambos em São Paulo). 6h00
Data: 08/11, às 9h00


Módulo XII - Cine-debate filme "Besouro": discussão sobre filme que fala da Bahia, década de 20, tempo em que os negros continuavam sendo tratados como escravos, apesar da abolição da escravatura ter ocorrido décadas antes. Entre eles está Manoel, que quando criança foi apresentado à capoeira pelo Mestre Alípio. O tutor tentou ensiná-lo não apenas os golpes da capoeira, mas também as virtudes da concentração e da justiça. A escolha pelo nome Besouro foi devido à identificação que Manuel teve com o inseto, que, segundo suas características, não deveria voar. Ao crescer Besouro recebe a função de defender seu povo, combatendo a opressão e o preconceito existentes. 4h00min
Data: 14/11, às 14h00
Local: UME Lorena


Módulo XIII - Oficina sobre Lei 10.639/2003: Literatura Afrobrasileira e Poesias Negras: Aspectos da literatura negra dentro do cenário da literatura brasileira. Escritores e escritoras negros(as). Oficina de interpretação e elaboração de poesias negras. Varal de poesias. Sarau improvisado. 3h00
Data: 16/11, às 19h00
Local: UME Lorena


A entrega dos certificados ocorrerá em 20 de novembro, durante evento da Semana de Consciência Negra que fará a entrega do Prêmio Zumbi dos Palmares Edição 2015.

Texto: Alessandro Atanes - MTb 650/96 DRT-MT

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Marchas e caminhadas pelo combate ao racismo e à intolerância religiosa serão discutidas nesta sexta - BA

Manifestações da sociedade civil, desenvolvidas ao longo da história em diversos formatos, têm contribuído para a ampliação da luta contra o racismo e demais formas de discriminação, além da conquista de políticas públicas em defesa dos direitos da população negra. Para discutir a importância e o resultado dessas atividades, será realizado um painel nesta sexta-feira (09), às 14h, no Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, na Avenida Sete de Setembro, em Salvador.


Participam do debate os representantes do Fórum de Entidades Negras da Bahia, Vovô do Ilê, Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), Gilberto Leal, Coletivo de Entidades Negras (CEN), Marcos Rezende, e das caminhadas dos terreiros do Subúrbio e do Engenho Velho da Federação, respectivamente, Valdo Lumumba e Valdélio Silva.

O Centro de Referência - Vinculado à Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado (Sepromi), o equipamento social oferece apoio psicológico, jurídico e social a vítimas de racismo e intolerância religiosa na Bahia. Também conta com uma biblioteca especializada em relações raciais e realiza atividades formativas com o público interno e segmentos variados da sociedade civil.


Serviço
O quê: Painel sobre marchas e caminhadas pelo combate ao racismo e à intolerância religiosa.
Quando: 09.10.15 (sexta-feira), às 14h.
Onde: Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela - Avenida 7 de Setembro, nº 282, Ed. Brasilgás, 1º andar – Centro (mesmo prédio da Fundação Pedro Calmon), em Salvador.
Mais informações: (71) 3117-7445/7448 - cr.racismo@sepromi.ba.gov.br.
Obs. Evento com entrada gratuita e fornecimento de certificado.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Processo civilizatório africano é tema de encontro nesta sexta-feira - BA



A segunda edição do painel ‘Literatura Negra Comentada’, do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, traz o escritor Marco Aurélio Luz para um debate sobre o processo civilizatório africano. A atividade será nesta sexta-feira (25), às 14h, no próprio equipamento social, situado na Av. Sete de Setembro, em Salvador. 



Aberta ao público, a discussão terá como base os livros ‘Cultura Negra e Ideologia do Recalque’, ‘AGADÁ, Dinâmica da Civilização Africano-Brasileira’ e ‘O Rei Nasce Aqui Oba Biyi’, de autoria do palestrante, que também é filósofo, doutor em Comunicação e pós-doutor em Ciências Sociais. A organização do evento informa que fornecerá certificados.



Vinculado à Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), o Centro de Referência é uma das portas de entrada dos casos acompanhados pela Rede de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa. A unidade dispõe de biblioteca especializada e espaço para formações, além do atendimento ao público vítima de discriminação racial ou violência motivada por questões ligadas às religiões.



Serviço



O quê: 2ª edição do painel ‘Literatura Negra Comentada’, com participação do escritor Marco Aurélio Luz.

Quando: Sexta-feira (25.09), às 14h.

Onde: Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela - Avenida 7 de Setembro, nº 282, Ed. Brasilgás, 1º andar – Centro (mesmo prédio da Fundação Pedro Calmon), em Salvador.

Mais informações: (71) 3117-7445/7448 - cr.racismo@sepromi.ba.gov.br.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Inscrições abertas para apresentação de trabalhos - BA


GT 5 – Gênero, Raça e Subalternidades
Coordenação:
Ângela Figueiredo
angelaf39@gmail.com
Zelinda Barros
zelindabarros@gmail.com
Ementa: Este GT pretende reunir trabalhos que tenham como propostas refletir sobre as implicações da intersecção de gênero, raça e classe em fenômenos e contextos socioculturais diferenciados e produzir subsídios teóricos à compreensão dos mecanismos que fundamentam o processo de exclusão das mulheres negras, minorias sexuais e outros grupos subalternizados, assim como das formas de resistência por eles engendradas. Serão aceitos estudos relacionados aos seguintes eixos temáticos: 1) Gênero, Raça e Sexualidades, 2) Violências de gênero e racial, 3) Gênero, Comunicação e Cultura, 4) Gênero e Saúde, preferencialmente baseados numa abordagem que considere a interseccionalidade de gênero, sexualidade, raça e classe.
Inscrições para envio de resumos para o GT: até 03 de novembro de 2015

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Afoxé Filhos de Gandhy sedia encontro sobre Revolta dos Búzios e ações afirmativas - BA



O Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, órgão vinculado à Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), em parceria com os Filhos de Gandhy, realizam um debate nesta sexta-feira (28) sobre ações afirmativas, trazendo os ideais da Revolta dos Búzios para a atualidade. O encontro será às 18h30, na sede do afoxé, no bairro do Pelourinho, em Salvador, como parte da programação do 'Agosto da Igualdade', mês alusivo à manifestação popular de 1798 pela abolição da escravatura e república democrática.

Para a discussão, foram convidados o cineasta e fotógrafo Antônio Olavo, que já apresentou projetos como Quilombos da Bahia (2004), Abdias do Nascimento: Memória Negra (2008) e A Cor do Trabalho (2014), além dos historiadores Fred Joi e Anne Rodrigues, também coordenadora do Mundo Afro.  Participam ainda do evento, aberto ao público, o presidente do afoxé Filhos de Gandhy, Francisco Lima, e o coordenador do Centro de Referência Nelson Mandela, Walmir França. A atividade é associada à Década Internacional de Afrodescendentes, que vigora até 2024, trabalhando diversas temáticas ligadas às questões raciais nos eixos da justiça, reconhecimento e desenvolvimento.

Serviço:
O quê: Painel de Debate sobre a Revolta dos Búzios.
Quando: 28.08 (sexta-feira), às 18h30.
Onde: Sede do afoxé Filhos de Gandhy (Rua Maciel de Baixo, 53 - Pelourinho, Salvador/BA).
Mais informações: 3321-7073 / 3117-744
 xikolim@yahoo.com.br / cr.racismo@sepromi.ba.gov.br


terça-feira, 25 de agosto de 2015

Odeere abre inscrições para dois novos cursos de extensão - BA


O Órgão de Educação e Relações Étnicas com Ênfase em Culturas Afro-Brasileiras (Odeere) da Uesb, campus de Jequié, está com inscrições abertas para dois novos cursos de extensão. Ao todo, foram disponibilizadas 200 vagas (100 em cada curso), com duração de 120 horas e cinco módulos mensais.

O Curso de Extensão em Educação Quilombola terá início no próximo dia 29 de agosto e tem como objetivo desenvolver estudos sobre a história cultural de populações quilombolas e afro-brasileiras através das disciplinas: Antropologia das populações Afro-brasileiras; Remanescentes de quilombos: memórias, mitos, diversidade étnica, simbolismos e fronteiras; entre outras. Nesse curso, a maioria dos módulos será ministrado no Colégio Estadual Dr. Milton Santos (Escola Quilombola), bairro Joaquim Romão.
Já o Curso de Extensão em Educação e Culturas Indígenas terá início no próximo dia 25 de setembro e tem como objetivo desenvolver conhecimentos sobre a História e Cultura dos povos indígenas através das disciplinas: Antropologia das Populações Afro-brasileiras; Histórias e Culturas Indígenas no Brasil e na Bahia; entre outras.
É importante informar que todos os cursistas participarão das atividades promovidas pelo Odeere: 5º Congresso Baiano de Pesquisadores Negros (CBPN), 4º Encontro Estadual de Educação das Relações Étnicas, a 11ª Semana de Educação da Pertença Afro-Brasileira e o 2º Seminário do Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade. Esses eventos acontecerão entre 16 a 20 de novembro de 2015.
As inscrições podem ser feitas de segunda a sexta, em horário comercial, no Oderre, Rua João Rosa, S/N.º, Pau Ferro/Jequié (antigo Colégio Dom Climério de Andrade) e também na sala do Odeere, localizada no Centro de Aperfeiçoameto Profisional da Uesb. Os interessados de outras cidades deverão preencher a ficha de inscrição (curso 1 e curso 2) e encaminhá-la para o e-mail abaixo. Mais informações sobre os cursos podem ser obtidas pelo telefone (73) 3526-2669 ou e-mail odeere@uesb.edu.br.

Assessoria de Comunicação

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Curta em stop motion traz mito da criação do universo contado por Orixás


Produtora baiana reuniu artistas e técnicos especializados

 para a produção do filme de 12 minutos
.
Com mais de 25 mil clicks, o mito da criação do universo será contado pela técnica do stop motion no curta ÒRUN ÀIYÉ, uma realização da Estandarte Produções, produtora baiana que reuniu um time de renomados profissionais para dar vida à animação inédita, que está sendo produzida em Salvador/Camaçari. O curta traz a trajetória do pai de todos os deuses, Oxalá, para cumprir sua missão junto a outras divindades, em uma envolvente narração de 12 minutos, carregada de simbolismos da cultura afrobrasileira. A animação é inclusiva e, por meio de recursos como audiodescrição, subtitulação e janela de Libras, estará disponível para o público surdo e cego, além de estar em mais cinco línguas – português, inglês, francês, espanhol e yorubá.

Para as diretoras da obra, as cineastas Jamile Coelho e Cintia Maria, a animação será um instrumento de educação, combate ao racismo e à intolerância religiosa em meio às crianças e jovens. “Esse material paradidático permitirá às crianças e jovens a ampliação da noção de cultura negra trazida da África para o Brasil, proporcionando uma educação que reconheça e valorize a diversidade, comprometida com as origens do povo brasileiro”, afirma Jamile Coelho. A religiosidade afro-brasileira será abordada a partir da contação de histórias, tendo a figura do historiador Ubiratan Castro de Araújo (1948-2013) como o griôt – narrador das lendas envolvendo deuses africanos como Olodumaré, Oxalá, Orunmilá, Ododuwa, Nanã e Exu.

cinco anos, a Estandarte Produções atua na criação e gestão de projetos culturais e pedagógicos, a exemplo de oficinas artísticas, mostras e festivais, debates, intercâmbios, publicações, audiovisuais (cds, dvds, videoclip, documentários e curta-metragens), envolvendo profissionais de formações variadas, como música, teatro, comunicação, administração e artes visuais. No currículo já tem projetos como o premiado A Cartomante, dirigido por Adriano Big e vencedor do Festival de Cinema Baiano em Ilhéus (2012), nas categorias Melhor Diretor e Melhor Atriz e a animação em stop motion Talvez Futuro, exibido no maior festival da categoria em toda América Latina - o 1º Festival Internacional de Stop Motion do Brasil (Recife/PE), em 2011.
Produção - Na produção do curta, nomes renomados como o doutor em Música pela UFRJ, Guilherme Maia na direção musical, Cenografia do premiado Léo Furtado e Mônica Terra Lima, o músico e produtor musical, André T. na mixagem e desenho de som, animação (2D) do renomado Mateus Di Mambro, painéis do grafiteiro Eder Muniz (Calangos) e bonecos do artista plástico, Leonardo Muela (Minhocas).  A animação conta com recursos do Edital de Apoio para Curta-metragem - Curta-afirmativo: Protagonismo da Juventude Negra na Produção Audiovisual, parceria entre a Secretaria de Audiovisual do Ministério da Cultura e a Fundação Palmares lançada em 2013, além do Edital de Patrocínio 2014 da Companhia de Gás da Bahia (Bahiagás).

Depoimentos sobre ÒRUN ÀIYÉ:

Caó Cruz Alves é um renomado diretor, cartunista e animador.

"Existe uma política de editais que sempre contempla a animação. Todavia, o principal problema na Bahia é a mão de obra. Infelizmente não temos qualificação profissional para atender a demanda mínima do mercado, por isso é necessário termos cursos, oficinas, mostras e festivais para formação de novos animadores".


Lindinalva Barbosa é educadora, mestre em Estudos de Linguagens/Uneb e omorixá Oyá do Terreiro do Cobre (Salvador).

“A gente vive hoje um dilema muito grande, que é de como vamos implementar a Lei 10.639 e a 11.645, que são dispositivos legais que prevê a implementação de fato a história da cultura africana, afro-brasileira e indígena na educação das pessoas. A Lei existe, mas só vai acontecer de fato se nós fizemos ações e gestões nesse sentido. E o filme não é apenas um produto cultural, mais também o dispositivo pedagógico e isso vai nos ajudar a formar crianças que possam de fato viver em onde sejam respeitadas as diferenças étnicas”.

Sobre a diretora de ÒRUN ÀIYÉ  - Jamile Coelho

Cineasta baiana, Jamile Coelho, é graduada em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal da Bahia — trabalha com animação desde 2008 — quando desenvolveu em parceria com o Grupo Caco de Telha a série 2D "A Turma da Jujuba". Atualmente, trabalha como diretora de comerciais publicitários, programas televisivos e documentários em Camaçari e Salvador. Estudou animação em stop motion com o animador e diretor Walter Tournier (Uruguai) e, com o diretor e animador Barry Purves (Inglaterra). Dirigiu a animação em stop motion "Talvez Futuro", selecionada para I Festival Internacional Brasil Stop Motion (2011).

Acompanhe o filme ÒRUN ÀIYÉ no Facebook.

Informações, entrevistas, gravações:
Jamile Menezes (Assessoria de Imprensa – (71) 9219-7135)